thru-hiker

Ser um thru-hiker consiste nos caminhantes fazem longas travessias percorrendo tilhas de curso longo de ponta a ponta de uma vez.

Você sai para aquela caminhada que se torna uma aventura antes de botar o pé para fora de casa.

Quando sai pra fazer uma trilha dependendo da distância e local da trilha você põe uma roupa leve, um tênis e desaba no mundo.

Essa aqui é um pouquinho diferente. Kkk

E aí, o que é thru-hiker?

O thru-hiker, que na tradução livre é “através da caminhada”, que não tem lá muito a ver.

Nos Estados Unidos onde surgiu o termo thru-hiker, não se tem um consenso entre a galera da caminhada de sua definição exata.

O que acontece é que normalmente todos concordam que o termo é relacionado ao fato do caminhante completar a trilha do início até o fim.

É o indivíduo [caminhante] que entra na trilha e só vai sair quando chegar ao destino final. Não importando a extensão que a trilha tenha.

Segundo a Appalachian Trail Conservancy, um thru-hiker é alguém que venha a completar toda a extensão da famosa trilha “Appalachian” em 12 meses ou num tempo menor que esse.

Mas o thru-hiker não se limita só à lendária trilha da costa leste norte-americana.

Ele também é utilizado para todas as trilhas de longa distância dos Estados Unidos.

Aí com a procura cada vez maior no mundo inteiro por atividades ao ar livre.

Vários termos como thru-hike, o thru-hiker e até mesmo thru-hiking se popularizaram.

E hoje são empregados aos que percorrem a extensão de caminhos de peregrinação por exemplo.

Como o caminho de Santiago de Compostela [Espanha] ou para os caminhantes que fazem aquelas trilhas nacionais como a de Te Araroa [Nova Zelândia].    

O indivíduo que percorre longas distâncias em uma lapada só, pode ser centenas ou pode ser até milhares de quilômetros.

Confesso que eu não conhecia esse termo.

Então, por que ser um thru-hiker?

Aí mais que a definição propriamente dita da palavra, é de suma importância esclarecer o que faz você ser um thru-hiker.

Lembra do bushcraft, se você fez uma trilha que te exigiu dias de caminhada, acampando no meio do caminho, se alimentando e se asseando como dava.

Não é só a longa caminhada. Aqui você não só busca superação. Você se prepara para estar ali. E se está no meio da trilha, não tem o que fazer.    

Aí Cai na trilha e supera os desafios que vão aparecendo, medo é para os fracos? Nananinanão, o medo te deixa alerta e pronto para as próximas etapas.

Mais vamos a História, onde o termo Thru-hiker surgiu?

Para entender melhor, vou lhe contar sobre aquela icônica triha que mencionamos a pouco, se liga!

No século passado, o ano era 1921, foi quando Benton MacKey [americano] começou a enxergar a Appalachian Trail.

Nem MacKey, nem qualquer um que compartilhou daquela ideia inicial, poderia imaginar que seria possível um indivíduo completar a trilha inteira.

Desde o início até o fim em uma lapada só [de uma só vez]. Só a idealização de ter uma única trilha que viesse a unir as diversas trilhas regionais.

Se liga, as várias trilhas das regiões que existiam ali pela costa leste dos Estados Unidos, ou seja, essa brincadeirinha estaria ligando simplesmente 14 estados.

Algo que você possa vislumbrar, com pouco mais de 3.000 quilômetros. Isso aí soava sureal, algo extremamente ambicioso.

Mas aí o projeto de concepção e implantação da imensa trilha continuou como posso dizer, a passos largos.  

Tanto que em 14 de agosto de 1937 a famosa “Appalachian Trail” estava finalmente terminada. Finalizada.

O primeiro thru-hiker

Mais aí é que está, você pensar que alguém pudesse completa-la de ponta a ponta de uma só vez é outra história, ainda parecia algo absurdo.

Pra ter uma ideia, pouco mais de 10 anos depois, Ed Shaffer, guarde esse nome. O cara combateu na Segunda Guerra Mundial, um veterano.

Também membro da ATC ou Appalachian Trail Conservancy, que é o órgão não-governamental que faz ali a gerencia da trilha.

O Ed Shaffer conseguiu fazer o que ninguém achava ser possível.

Em um dos encontros anuais da galera da ATC que rolava no verão de 1948 na pequena cidade de Fontana Village na Carolina do Norte.

Por onde a bendita trilha passava, a galera do grupo recebeu uma mensagem de Ed Shaffer. O cara estava lá no Estado de Nova Iorque.

E tinha começado a fazer a trilha lá pelo extremo sul no estado da Geórgia, isso em 4 de abril de 1948 né.

E a expectativa do cara era completar a longa trilha nas próximas semanas. O pessoal do grupo não deu muito ouvidos pra ele. Parece história de pescador.

Pois é, só que o tempo foi passando e algumas semanas mais tarde Ed Shaffer, o veterano manda uma nova mensagem para o grupo.

E nesta informando que no dia 5 de agosto de 1948 chegara ao Monte Katahdin no Estado do Maine.

O cara é simplesmente o primeiríssimo “Thru-Kiker” da história.  

Thru-hiker nas terras alencarinas

área q

Três amigos Joaci Jardim, Ziraldo Felício e Naldo Ferreira, querem repetir uma aventura que fizeram a um tempo atrás. E estou louco pra ir junto!

Alguém aqui assistiu Forrest Gump, lembra da parte que ele começa a correr por centenas ou talvez milhares de quilometros?

Agora põe isso em uma trilha com um destino definido.

São thru-hikers? Diga você!

Os caras percorreram pelo mato um percurso entre Fortaleza e Quixeramobim, não sei se bem nesses moldes, pois eles que fizeram a dita trilha…

Ziraldo Felício, Naldo Ferreira e Joaci Jardim

Saíram de Fortaleza a tardinha.

Foram desbravadores modernos. Descansavam durante o dia e caminhavam a noite. Também pudera, se fosse o contrário não durariam nem um dia.

O tempo é seco, quente, e muito desgastante. A noite com certeza a temperatura é mais agradável.

Fora que os caras buscavam por óvnis e assombros, no Ceará já há histórico de aparições. Aí você soma a um céu estrelado.

casa assombrada

E pra botar pimenta na mistura, você chega naquela região cheia de inselbergs, sabe aquelas montanhas monolíticas cheias de formações estranhas.   

Será que eu quero ir na próxima? kkkk

Os caras passavam cerca de 10 horas caminhando [por noite].

Foram 4 dias de descanso em barracas, se asseando com o que encontravam, comendo o que tinham a disposição.

E 4 noites de intensa caminhada subindo serrote e descendo, haja joelho. 10 horas não é pra qualquer um!

E o grau de dificuldade que eles passaram?

Uma ajudinha no meio do caminho

São caras experientes, eu sei, o Joaci é militar da reserva, o Ziraldo praticamente nasceu acampando e o Naldo é monitor de curso de sobrevivência.

Mais se liga!

Quem já andou pelo sertão, pela caatinga já se deparou com aqueles espinhos de juazeiro que atravessam o chinelo, o tênis ou até mesmo a bota.

Naldo Ferreira

Imagine você bater em uma urtiga ou em um mandacaru.

Os relatos é que a aventura foi incrível, mais tinha horas que o cara queria morrer… kkk

Os caras chegaram a Quixeramobim 4 dias depois. Isso em 2015.

 Chegada a Quixeramobim

E não vejo a hora de chegar a segunda edição!

Conclusão

Hoje a busca pela saúde física e mental está maior do que nunca, uma experiência com thru-hiker pode te dá uma nova forma de ver o mundo.

Todos os que entraram nessa trilha voltaram diferentes, ou mais observadores, mais magros, mais gratos e mais fortes. Pelo menos mentalmente. Kkkk

E já ia esquecendo! Vai fazer trilha, é bom estar com alguém responsável. Pois numa hora que a emoção falar mais alto que a razão, é bom ter uma pessoa pra questionar as escolhas. Do mais, “cai dentro“!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *